A Inbrape agora, além de um jornal, tem um blog. Neste blog você pode ler notícias sobre a fábrica, ficar sabendo das novidades, e comentar as notícias. Tudo de forma simples e descomplicada.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Garrafa de Fibra

Na Segunda-feira a Zero Hora publicou em seu caderno "Nosso Mundo Sustentável" uma reportagem a respeito do destino das Garrafas PET.

Segue trecho:

"

Da garrafa ao tecido da sua roupa

Confira o passo a passo da reciclagem do PET, desde o descarte da garrafa do seu refrigerante favorito no lixo seco de casa até a transformação em tapetes, cobertores, edredons ou camisetas

Enquanto você lê essa reportagem, tenha uma certeza: é bem provável que haja à sua volta muita fibra de poliéster produzida a partir do reaproveitamento do PET. Do revestimento de carpete dos carros nacionais, passando por cobertores, até os bichinhos de pelúcia, o mercado têxtil é o setor que mais absorve o material reciclado no Brasil.
São mais de 102 mil toneladas transformadas anualmente, o que equivale a 39% do total de PET reciclado por ano no país. E esse número tem potencial para ser ainda maior, mas o crescimento da produção enfrenta um entrave que só será vencido com a conscientização das pessoas e com ações efetivas do poder público. Falta material por causa do descarte incorreto das garrafas plásticas.
Porta-voz da Associação Brasileira da Indústria do PET (Abipet), Hermes Contesini lamenta que as embalagens não retornem para a indústria na proporção necessária:
– A indústria de reciclagem do PET tem uma ociosidade de 25% a 30%. É importante realçar a importância do consumidor nesse processo todo. Porque ele é o cara. Se ele resolver jogar a garrafa no rio, acabou-se o processo, não há reciclagem de nada. Por outro lado, se é dada a destinação correta do material, pronto. O problema está resolvido. Mas ainda temos um número muito grande de embalagens colocadas no lixo comum.
Supervisor de vendas de uma das maiores indústrias fabricantes de fibras de poliéster a partir do PET no país, José Carlos Castro confirma que a falta de programas de coleta do material em grande parte dos municípios brasileiros é o principal problema enfrentado pelo setor. Mesmo assim, a fábrica acaba de comprar uma nova máquina para aumentar a produtividade.
– Hoje fabricamos 2,1 mil toneladas de fibra por mês. Com a nova máquina, devemos chegar a 3,1 mil toneladas – estima Castro"


clique na imagem para ampliá-la

 


A INBRAPE utiliza fibra de poliéster reciclado como matéria-prima de diversos produtos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Very interesting points. Thanks!

My blog:
Rachat de credit rachatdecredit.net